Menu Fechar

Jane Fonda no Minhocão

Jane Fonda no Minhocão

Nunca fui muito ligado em atividade fisica, mas tinha começado a caminhar – e, eventualmente, até dar uma corridinha – no Minhocão antes da pandemia, e adorava. Nesses momentos, uma das playlists que mais tocavam no meu fone era Na praia de polainas, uma mistura de pop com new wave e freestyle que emula um clima de praia nos anos 80.

A capa daquela playlist é com a Jane Fonda de polainas, numa montagem com a foto da capa do “Jane Fonda’s Workout”, VHS com o programa de exercícios lançado por ela em 1982 e que, pelo menos segundo a Wikipédia, se tornou o VHS mais vendido de todos os tempos.

Estou retomando o costume de caminhar no Minhocão e quis trazer a Jane Fonda comigo para além da playlist praieira, com uma trilha mais pensada pra favorecer o ritmo da caminhada e da eventual corrida.

São 24 músicas lançadas entre 1979 e 1987, incluindo duas brasileiras que são, pra mim, parte do maior diferencial da lista.

Além da obrigatória “Estrelar”, do Marcos Valle, trouxe a Rita Cadillac, uma das celebridades mais queridas da Santa Cecília – um dos bairros cortados pelo Minhocão-, numa faixa do seu único disco que me lembrou “Physical”, da Olivia Newton-John, desde a primeira vez que ouvi. Aqui, as duas aparecem na sequência, falando sobre outro tipo de atividade física.
( ͡° ͜ʖ ͡°)

Em tempo: vai ter volume 2!

O que tem?

Madonna – Borderline (Celebration version) (1983/2009)
Michael Jackson – Wanna Be Startin’ Somethin’ (1982)
Chaka Khan – I Feel for You (1984)
Marcos Valle – Estrelar (1983)
The Gap Band – Early In The Morning (1982)
Lipps Inc. – Funkytown – Single Version (1979)
Rick Astley – Together Forever (1987)
Ivana Spagna – Call Me (1987)
A Flock of Seagulls – I Ran (So Far Away) – Radio Edit (1982)
Donna Summer – She Works Hard For The Money – Single Version (1982)
Bronski Beat – Smalltown Boy (1984)
Olivia Newton-John – Physical (1981)
Rita Cadillac – Baby Love (1984)
Michael Sembello – Maniac (1983)
Glenn Frey – The Heat is On (1984)
DEVO – Whip It (1980)
Bangles – Walk Like an Egyptian (1986)
Elton John – I’m Still Standing (1982)
The Pointer Sisters – I’m So Excited (1982)
David Bowie – Modern Love (1983)
Katrina & The Waves – Walking On Sunshine (1985)
Naked Eyes – Always Something There to Remind Me (1982)
Culture Club – Karma Chameleon (1983)
a-ha – Take On Me (1985)

Toca aqui:

Ouvir na Deezer   Ouvir no Spotify

Quase dia

A maioria das minhas playlists nasce num arquivo de texto com o nome e uma ideia. Algumas, como a de hoje, têm músicas incluídas tão aos poucos que parece que nunca vão sair do arquivo de texto. Até que, de repente, saem.

Quase dia estava feita há meses como uma playlist, mas só senti que estava pronta quando dividi em duas.

Em comum, as duas pensam na transição da madrugada pra manhã, mas de uma madrugada que não é nem a do sono de dia útil e nem a da festa, do rolê. É alguma outra coisa.

Três artistas aparecem nas duas: Moby (com versões diferentes da mesma música), Enigma e City of the Sun.


Quase dia - Parte 1

Na parte 1 a maioria das músicas é cantada. Começa transitando entre a música eletrônica, o rock alternativo e trip hop. Dá uma passada no jazz, chega na new age e no rock progressivo e termina com a Björk, em “All is Full of Love”. Começa mais pop e mais agitada, termina mais calma/introspectiva.

O que tem?

Blackbird Blackbird – Blurred Lines (2010)
Moby – Porcelain (1999)
Bradly Drawn Boy – Silent Sigh (2002)
Air – Sexy Boy (1998)
Massive Attack – Unfinished Sympathy (1991)
Enigma – Age of Loneliness (Radio Edit) (1993)
Blank & Jones, Deep Forest – Sweet Lullaby – Relax Mix (2015)
B.J. Smith – Hold on to It – Johnny Nash Remix (2015)
Pat Metheny Group – Last Train Home (1987)
Enya – Only Time (2000)
City of the Sun – Perfect Instance (2017)
Pink Floyd – Shine on You Crazy Diamond (Pts. 1-7) (1975)
Björk – All is Full of Love (1997)

Toca aqui:

Ouvir na Deezer   Ouvir no Spotify


Quase dia - Parte 2

A parte 2 é mais instrumental. Tem algo mais soturno, principalmente no início, tem um rock progressivo mais próximo da psicodelia, alterna mais entre ritmos – não começa lenta pra terminar rápida ou vice-versa -, dá uma passada no dream pop e termina mais pop e solar.

O que tem?

Groove Armada – At the River (1999)
Brian Eno – Deep Blue Day (1983)
Boards of Canada – Olson (1998)
Sigur Rós – Hoppípolla (2005)
O Terço – 1974 (1975)
Focus – Sylvia (1972)
City of the Sun – Dreams (2020)
Cocteau Twins – Lorelei (1984)
Tangerine Dream – Beach Scene – A-Side (1981)
Moby, Jim James – Porcelain (Reprise Version) (2021)
Das Komplex – Like a Fish (Original Mix) (2016)
Enigma – Return To Innocence (1993)
Primal Scream – Movin’ on Up (1991)

Ouvir na Deezer   Ouvir no Spotify

#toca10 pra dormir gostoso

#toca10 pra dormir gostoso

A playlist de hoje é autoexplicativa na descrição: “um abraço auditivo antes de dormir” – apesar de que poderiam ser dez, porque cada faixa é um abraço.

A maioria são abraços de pais ou mãe nas filhas, mas têm, também, um quase som das ondas do mar na única música instrumental da seleção, duas versões de “Drume Negrita” na sequência e uma canção infantil do MPB4.

A letra mais adulta é “Coisa Boa”, e até ela segue no mesmo tom de aconchego.

Boa pra salvar e repetir em várias noites.

O que tem?

Joyce Moreno – Clareana (1980)
Santo & Johnny – Sleepwalk (1959)
Novos Baianos – Isabel (Bebel) (1974)
MPB4 – Todo Mundo Sabe Dormir (1981)
Adriana Partimpim – Acalanto (2012)
Ana Cañas – Acalanto para Helena (2013)
Caetano Veloso – Drume Negrinha (Drume Negrita) (1975)
Marina de La Riva – Drume Negrita (2007)
Moreno Veloso – Coisa Boa (2014)
Sá, Rodrix e Guarabyra – Boa Noite (1972)

Toca aqui:

Ouvir na Deezer   Ouvir no Spotify

Eletrola

Eletrola

Já tenho aqui duas playlists daquela música eletrônica que tocou muito em rádio nos anos 90: uma dedicada ao que chegou no Brasil pela gravadora Paradoxx Music e outra para o que chegou fora dela. Faltava uma que reunisse o que tocou nos anos 2000.

Faço isso dessa vez, extrapolando para o início dos 2010 e incluindo, também, algumas gravações da década de 1990 que lembram muito mais o que predominou na década seguinte do que o tunts tunts – ou putz putz – clássico da Eurodance.

São 40 músicas, tudo muito conhecido, alguma “farofa” e reprises de Fatboy Slim, Daft Punk e Chemical Brothers.


Um adendo-textão para a descrição no streaming, que eu acho que merece detalhar: “Aquelas música de danceteria que tocava na Jovem Pan quando a Jovem Pan tocava música”.

Pois é, eu ouvia e gostava da Jovem Pan num passado nem tão distante – tenho até uma playlist antiga que emula um programa de uma dessas últimas fases em que a FM era mais musical.

Ela sempre foi alinhada ideologicamente à direita, e isso nunca foi problema pra mim: prefiro o posicionamento assumido a uma falsa imparcialidade – até porque acredito mais numa imprensa plural do que imparcial.

Na medida em que a programação da atual Jovem Pan News foi sendo mesclada à programação da Jovem Pan FM, esse posicionamento foi ficando cada vez mais radical. Hoje ela extrapola – pra repetir palavra – o posicionamento: virou um veículo de propaganda da extrema direita. Não sei se, mudando o governo, continuará da mesma forma, mas é o que é hoje, em julho de 2022.

Quero aproveitar essa trilha de Jovem Pan que eu ouço/gosto pra também me posicionar. Aqui, nesse espaço que faço como forma de exercitar um trabalho que acredito e que me faz bem, e que faço, como já disse outras vezes, de forma despretensiosa.

Por ser um site com nome de coisa antiga, que traz muitas referências nostálgicas e listas com músicas antigas, além de ter essa proposta de fazer playlist na mão enquanto o streaming entrega seleções musicais personalizadas cada vez mais acertadas, pode parecer que o Toca fitas tem um viés conservador. E não tem porque eu não tenho.

E mesmo que esse portfólio possa ser usado algum dia pra procurar emprego em rádio – inclusive nas de direita -, acho importante, nesse momento, não fazer o isentão. E mais: convidar quem simpatiza com o atual presidente e que vota pela sua reeleição a deixar de acompanhar esse trabalho. Não é pra você.

E aí não é “polarização” entre esquerda e direita, é repúdio ao culto à violência, à ignorância e ao preconceito que tomaram conta do Brasil principalmente a partir da eleição de 2018.

Não costumo falar disso aqui porque esse não é um espaço que uso pra pensar no pior do Brasil, mas no melhor. Mais do que antes, pensar em música e escutar música me reforça a crença de que o Brasil é maior que esse momento pesado que tá passando.

Mas é isso. Textão quase ninguém lê, a playlist não tem nada a ver com o tema, mas deu vontade de reforçar isso. Fora Bolsonaro. E fora tudo de nocivo que ele representa.


O que tem?

Fatboy Slim – The Rockafeller Skank – Short Edit (1998)
Daft Punk – One More Time (2001)
Modjo – Lady (Hear Me Tonight) (2001)
Stardust – Music Sounds Better With You (1998)
The Supermen Lovers, Mani Hoffman – Starlight (2001)
Phats & Small, Toney Lee – Turn Around (Hey What’s Wrong With You?) (Radio Edit) (1999)
Ultra Naté – Free (Mood II Swing Radio Edit) (1997)
Aly-Us – Follow Me (Club Mix) (1992)
The Chemical Brothers – Hey Boy Hey Girl (1999)
New Order – Round and Round ’94 (1994)
Kraftwerk – Computer Love (1991)
Daft Punk – Digital Love (2001)
Roger Sanchez – Another Chance (2001)
Groove Armada – Superstylin’ (2001)
Sophie Ellis-Bextor – Murder on The Dancefloor (2001)
Edward Maya, Vika Jigulina – Stereo Love (2009)
Gigi D’Agostino – I’ll Fly With You (L’amour Toujours) (2000)
Magic Box – If You… (Radio Mix) (2003)
Eiffel 65, Gabry Ponte – Blue (Da Ba Dee) (Gabry Ponte Ice Pop Radio) (1999)
Zombie Nation – Kernfraft 400 (DJ Gius Mix – Radio Edit) (1999)
DJ Ross, Phonomatika – Emotion (Phonomatika Radio Edit) (2002)
Alice Deejay – Better Off Alone (1999)
Mighty Dub Katz – Magic Carpet Ride 07′ (Radio Edit) (2007)
Crystal Waters, The Bad Yard Club – In De Ghetto (Radio Mix) (1993)
Nicola Fasano, Pat-Rich – 75, Brazil Street (Radio Mix) – Nicola Fasano vs. Pat-Rich (2008)
Tiko’s Groove, Gosha – I Don’t Know What To Do (Radio Edit) (2012)
Erika – I Don’t Know – Radio Mix (2003)
Eric Prydz – Call On Me (Radio Mix) (2004)
Lasgo – Something (2001)
The Prodigy – Smack My Bitch Up (1997)
The Chemical Brothers – Block Rockin’ Beats (1997)
Fatboy Slim – Praise You (1998)
Alter Ego – Rocker (2004)
Daft Punk – Around The World (1997)
Madison Avenue – Don’t Call Me Baby (1998)
Avicii – Levels – Radio Edit (2011)
Faithless – God is a DJ (1998)
Underworld – Born Slippy .Nuxx (Radio Edit) (1996)
Robert Miles – Children (1996)
Cher – Believe (1998)

Toca aqui:

Ouvir na Deezer   Ouvir no Spotify

Scanimate feelings

Scanimate feelings

Por mais estranho que possa parecer, a playlist de hoje tem ligação com a da semana passada, do samba romântico dos anos 70/80.

As gravações da década de 1980 daquela playlist estão cheias de arranjos “cintilantes”, com predominância do som de sintetizador e bateria eletrônica – até porque, nos anos 80, praticamente ninguém escapou disso. E esse tipo de som tem me pegado bem mais do que já pegou!

Aqui, a motivação principal é explorar o protagonismo do sintetizador na música. Até por isso, tem muita música instrumental e muitas versões estendidas ou remixes de hits dos anos 80.

Além disso, têm coisas dos anos 70 que marcaram a primeira geração da música eletrônica e algumas gravações atuais que são tão influenciadas por essa estética que fica difícil diferenciar o que é da década passada do que é do século passado.

São 45 músicas, com reprises de New Order, Giorgio Moroder, Visage, Depeche Mode e Kraftwerk.

Em tempo: Scanimate era um sintetizador analógico de vídeo que foi muito usado até o final da década de 1980 na produção de vinhetas e efeitos visuais. O SBT nos primeiros anos e a TV Record nos últimos antes da igreja abusavam do Scanimate nas aberturas e chamadas.

O que tem?

Men Without Hats – The Safety Dance (Extended Club Mix) (1982)
Herbie Hancock – Rockit (1983)
New Order, Stephen Morris – Bizarre Love Triangle (Shep Pettibone 12” Remix) (1986)
Dead Or Alive – You Spin Me Round (Like a Record) (Murder Mix) (1984)
Giorgio Moroder – Chaser (1978)
Donna Summer – I Feel Love (12″ Version) (1977)
Soft Cell – Torch (Extended Version) (1983)
Visage – Fade to Grey (12″ version) (1980)
Cabaret Voltaire – Sensoria (12” Version) (1984)
Alphaville – Big in Japan (Extended Remix) (1984)
M83 – Midnight City (2011)
Yazoo – Situation – US 12” Mix (1982)
Depeche Mode – Just Can’t Get Enough (1981)
ADULT. – Tonight, We Fall (2013)
Visage – Moon Over Moscow (1980)
Yellow Magic Orchestra, Norio Yoshizawa – Technopolis (1979)
Orchestral Manoeuvres in The Dark (OMD) – Electricity (1980)
Kraftwerk – Pocket Calculator (1981)
Le Couleur, Carpenter Brut – Vacances de 87 – Carpenter Brut Remix (2013)
Robots With Rayguns – One More Time (2014)
DEVO – Big Mess (1982)
Mitch Murder – Frantic Aerobics (2011)
Molchat Doma – судно (Sudno) (2018)
Pink Project – Amama (1982)
Eumir Deodato – S.O.S., Fire in the Sky (1984)
Jean-Michel Jarre – Zoolookologie (1985)
Depeche Mode – Everything Counts (1983)
Harold Faltermeyer – Axel F (1988)
Kraftwerk – Music Non Stop (2017)
The Human League – Being Boiled (1980)
Miami Nights 1984 – Ocean Drive (2012)
New Order – Blue Monday (1983)
Space – Magic Fly (1977)
Duran Duran – Planet Earth (1980)
Bryan Ferry, Todd Terje – Don’t Stop The Dance – Todd Terje Remix (1985)
FM Attack – Sleepless Nights (2009)
a-ha – Train of Trought (1985)
Boytronic – You (1983)
Bronski Beat – Smalltown Boy (1984)
Phil Oakey, Giorgio Moroder – Together in Electric Dreams (Extented Version) (1984)
Lifelike – So Electric (2007)
Glass Candy – Digital Versicolor (2007)
Ultravox – Vienna (1981)
Boards of Canada – Roygbiv (1998)
Kraftwerk – Autobahn (1974)

Toca aqui:

Ouvir na Deezer   Ouvir no Spotify

Posts antigos