Menu Fechar

’10brasil

'10brasil

A lista de hoje é pra falar da música brasileira da década de 2010 que apareceu nas playlists daqui (e/ou no meu fone de ouvido) até agora. Sem a menor pretensão de ser A lista do que foi importante na música desses últimos dez anos, muito menos de todos os artistas que lançaram álbuns legais no período, mas com muita coisa boa de se ouvir.

O que tem?

Tulipa Ruiz – Efêmera (2010)
Karina Buhr – Eu Menti Pra Você (2010)
Marcelo Jeneci (part. Laura Lavieri) – Felicidade (2010)
Criolo – Não Existe Amor em SP (2011)
Marisa Monte (part. Rodrigo Amarante) – O Que Se Quer (2011)
Cícero – Tempo de Pipa (2011)
Mariana Aydar (part. Dominguinhos) – Preciso do Teu Sorriso (2011)
Alice Caymmi – Tudo Que For Leve (2012)
Los Sebosos Postizos – Minha Teimosia, Uma Arma Pra Te Conquistar (2012)
Siba – Preparando o Salto (2012)
Metá Metá – São Jorge (2012)
Dona Onete – Jamburana (2013)
Felipe Cordeiro – Problema Seu (2013)
Saulo Duarte e a Unidade – Mistério no Olhar (2013)
Bárbara Eugênia (part. Astronauta Pinguim, Regis Damasceno, Davi Bernardo) – Coração (2013)
RozenBac – A Poesia (2013)
Thiago Pethit – Romeo (2014)
Karol Conká (feat. Tropkillaz) – Tombei (2014)
Russo Passapusso – Paraquedas (2014)
Nação Zumbi – Um Sonho (2014)
Banda do Mar – Dia Clarear (2014)
Elza Soares – A Mulher do Fim do Mundo (2015)
Johnny Hooker – Alma Sebosa (2015)
Jaloo – Chuva (2015)
Trupe Chá de Boldo – Smex Smov (2015)
Arnaldo Antunes – Naturalmente, Naturalmente (2015)
Linker e os Caramelows – Zero (2015)
Francisco el Hombre (part. Labaq, Helena Maria, Selma Jô, Renata Éssis) – Triste, Louca ou Má (2016)
Tássia Reis – Se Avexe Não (2016)
Daniel Groove – Jardim Suspenso (2016)
Mahmundi – Hit (2016)
Barro – Vai (2016)
Academia da Berlinda – Dorival (2016)
Wado – Filhos de Ghandi (2016)
Luedji Luna – Banho de Folhas (2017)
Chico Buarque (part. Rafael Mike) – As Caravanas (2017)
Xênia França – Pra Que Me Chamas? (2017)
Letrux – Ninguém Perguntou Por Você (2017)
MC Tha – Valente (2018)
Ava Rocha (part. Alessandra Leão, Ariane Molina, Victoria dos Santos, Linn da Quebrada, Karina Buhr) – Joana Dark (2018)
DUDA BEAT – Bixinho (2018)
Silva – A Cor é Rosa (2018)
BaianaSystem – Bola de Cristal (2019)
Jards Macalé – Meu Amor Meu Cansaço (2019)
Vanessa da Mata – Só Você e Eu (2019)
Los Hermanos – Corre Corre (2019)
Zélia Duncan – O Que Mereço (2019)
Emicida (part. Majur, Pabllo Vittar) – AmarElo (2019)
Céu – Corpocontinente (2019)
As Bahias e a Cozinha Mineira – Volta (2019)

Toca aqui:

Ouvir na Deezer   Ouvir no Spotify   Ver no YouTube

O Brasil é brega

O Brasil é brega

A lista que termina esse mês de clássicos populares chega com 50 hinos nacionais (+1 no final que você precisa escutar na íntegra) e um vídeo meio cafona pra dizer que brega é, pra mim, o predomínio da autenticidade sobre o padrão imposto. E que, cada vez mais, estar fora do padrão no Brasil atual (não importando de que forma) tá sendo essencial.

A lista tem reprises de José Augusto, Fernando Mendes (três músicas), Paulo Sérgio, Reginaldo Rossi (três músicas) e Diana.

O que tem?

Rosana – O Amor e o Poder (The Power of Love) (1987)
José Augusto – Chuvas de Verão (1987)
Demetrius – O Ritmo da Chuva (1964)
Paulo Diniz – Pingos de Amor (1972)
Vanusa – Manhãs de Setembro (1973)
Marcos Sabino – Reluz (1982)
Ronnie Von – Pra Ser Só Minha Mulher (1978)
Fernando Mendes – A Desconhecida (1973)
Perla – Rios da Babilônia (Rivers of Babylon) (1978)
Paulo Sérgio – Índia (1973)
Reginaldo Rossi – A Raposa e as Uvas (1982)
Jerry Adriani – Doce, Doce Amor (1971)
Raul Seixas – Tu És o MDC da Minha Vida (1975)
Diana – Uma Vez Mais (One Last Time) (1973)
Odair José – Vou Tirar Você Desse Lugar (1972)
Amado Batista – Eu Sou Seu Fã (1991)
Leandro & Leonardo – Cadê Você? (1990)
Fernando Mendes – Cadeira de Rodas (1975)
Wando – Chora, Coração (1985)
Fábio Jr. – Esqueça (Forget Him) (1993)
Eliana de Lima (part. Luiz Carlos) – Volta Pra Ela (1994)
Ara Ketu – Sempre Será (1996)
Elymar Santos – Escancarando de Vez (Eu e Você) (1991)
Fagner – Borbulhas de Amor (Tenho um Coração) [Borbujas de Amor] (1991)
Mastruz com Leite – Meu Vaqueiro, Meu Peão (1993)
Sidney Magal – Amante Latino (1977)
Reginaldo Rossi – Mon Amour, Meu Bem, Ma Femme (1974)
Agepê – Cama e Mesa (1991)
Netinho – Menina (1993)
Benito di Paula – Se Não For Amor (1973)
Diana – Porque Brigamos (I Am… I Said) (1972)
José Augusto – De Que Vale Ter Tudo na Vida (1973)
Fernando Mendes – Você Não Me Ensinou a Te Esquecer (1978)
Peninha – Sonhos (1977)
Márcio Greyk – Impossível Acreditar Que Perdi Você (1970)
Gilliard – Aquela Nuvem (1979)
Katia – Qualquer Jeito (It Should Have Been Easy) (1987)
Reginaldo Rossi – Garçon (1987)
Sérgio Reis – Coração de Papel (1967)
Banda Calypso – A Lua Me Traiu (2005)
Falcão – Black People Car (Fuscão Preto) (1994)
Ismael Carlos – Bicicleta Envenenada (1983)
Alypyo Martins – Piranha (1974)
Maria Alcina (part. Sivuca) – Bacurinha (1980)
Evaldo Braga – Sorria Sorria (1972)
Os Incríveis – O Milionário (The Milionaire) (1967)
Nelson Ned – Tudo Passará (1969)
Agnaldo Timóteo – A Galeria do Amor (1974)
Paulo Sérgio – Última Canção (1968)
Jane & Herondy – Não Se Vá (Tu T’en Vas) (1977)
Barros de Alencar – Prometemos Não Chorar (Prometimos no Llorar) (1980)

Toca aqui:

Ouvir na Deezer   Ouvir no Spotify   Ver no YouTube

tocarquivo Leandro & Leonardo

tocarquivo Leandro & Leonardo

Eu já comentei no vídeo sobre a playlist Sertanejo CCE um pouco do porque não deixo de ouvir, mesmo que só esporadicamente, alguns artistas como Leandro & Leonardo.

Resumidamente, é por memória afetiva. É porque nem sempre a gente estava escutando Tom Jobim com as pessoas queridas – ainda mais pra quem foi criança numa época em que a gente consumia música MUITO pelo rádio ou pela TV aberta.

Quem viveu a década de 90 lembra muito do sucesso de Leandro & Leonardo. Provavelmente acompanhou a luta do Leandro contra o câncer e ficou triste com a morte dele. Torceu pela superação do Leonardo e, mesmo que não se interesse pelas gravações mais recentes por “N” motivos – meu caso! -, guarda as músicas daquela época com algum carinho, nem que seja pela associação com os diversos momentos em que elas apareceram de fundo.

A última tocarquivo desse mês que exaltou o brega clássico tem Leandro & Leonardo!

Em tempo: Leandro & Leonardo não têm uma “This is” no Spotify. E essa última lista tem, excepcionalmente, 25 músicas.

O que tem?

Solidão (1987)
Entre Tapas e Beijos (1989)
Cadê Você? (1990)
O Cheiro da Maçã (1990)
Pense em Mim (1990)
Desculpe, Mas Eu Vou Chorar (1990)
Talismã (1990)
Sonho Por Sonho (1991)
Não Aprendi a Dizer Adeus (1991)
Não Olhe Assim (1991)
Paz na Cama (1991)
Temporal de Amor (1992)*
Bobo (1993)
Mexe Mexe (1993)
Em Nome do Amor (1993)
Dor de Amor Não Tem Jeito (1994)
Eu Juro (I Swear) (1995)
Festa de Rodeio (1995)
Doce Mistério (1996)
Cerveja (1997)
Rumo a Goiânia (1997)
Anarriê (1997)
Deu Medo (1998)
Cumade e Cumpade (1998)
Um Sonhador (1998)

*disponível versão ao vivo, com Leonardo, de 2002

Toca aqui:

Ouvir na Deezer   Ouvir no Spotify

Viva a noite

Viva a noite

O vídeo e playlist de hoje já estavam programados – até porque escolher as músicas, fazer o set, a imagem de capa, gravar o vídeo e editar não são coisas que dá pra fazer da noite pro dia. Mas a ideia inicial era homenagear, com o mesmo tom com que venho falado dos flashbacks populares durante este mês, o “Viva a Noite”, primeiro grande sucesso do Gugu Liberato no SBT.

Não mudei nada no vídeo – nem o tom ácido com que reparo o SBT bajulando Fernando Collor num quadro do programa – mas, como em todas os outros vídeos/playlists do mês, a intenção é resgatar o que fez parte da vida de todo mundo que cresceu vendo televisão numa época em que não existia o acesso à informação que se tem hoje.

E olhar pra isso com carinho, seja porque ajudou a construir quem a gente é hoje (tudo ajuda!), seja pra tentar entender a nossa identidade como país, seja simplesmente pra relembrar uma época que nem faz taaaaanto tempo assim, mas que não tem a menor possibilidade de voltar.

O set do “Viva a noite” tá uma festa, e essa era a única proposta. Hoje fica também como homenagem e agradecimento ao Gugu Liberato. Um ícone da nossa cultura pop.

O que tem?

Polegar – Da Pra Mim (Amame Hasta con Los Dientes) (1989)
Menudos – Não se Reprima (No te Reprimas) (1984)
Gugu – Docinho Docinho (1983)
Gengis Khan – Comer Comer (1981)
Banana Split – Vem Lambadear Comigo (1990)
Mara Maravilha – Doida Pra Dançar (1990)
Banda Beijo – Beijo na Boca (1989)
Maria – Safadinha (1991)
Jordy – Dur Dur D’etre Bebe / Alison (1992)
Dominó – Ela Não Gosta de Mim (Standing in The Twilight) (1985)
Polegar – Ela Não Liga (Soy Un Desastre) (1990)
Mara Maravilha – Liga Pra Mim (1989)
Patrícia Marx – Sonho de Amor (1991)
Tremendo – Isso é Tremendo (1985)
Nahim – Dá Coração (1983)
Gretchen – Freak le Boom Boom (1979)
Absyntho – Meu Ursinho Blau Blau (1983)
Nahim – Dá Coração (1983) / Roupa Nova – Whisky a Go-Go (1984)
Asa de Águia – Não Tem Lua (1992)
Luiz Caldas – Tieta (1989)
Beto Barbosa – Preta (1990)
Beth Guzzo – Peão de Verdade (1992)
Locomia – Locomia (1990)
Dominó – “P” da Vida (Toda La Vida) (1987)
Patrícia Marx – Certo ou Errado (1988)
Trem da Alegria (part. The Fevers) – Uni Duni Tê (1985)
Polegar – Ando Falando Sozinho (Tu y Yo Somos Uno Mismo) (1989)
Afonso Nigro – Talvez Seja Amor (1993)
Marcelo Augusto – A Vida Tem Dessas Coisas (1993)
Gugu – Baile dos Passarinhos (Tchip Tchip El Baile De Los Pajaritos) (1984)

Toca aqui:

Veja também a playlist no YouTube!

tocarquivo Só Pra Contrariar

tocarquivo Só Pra Contrariar

Quando nem era moda cancelar artistas por posicionamentos meio esquisitos, Alexandre Pires chorou ao cantar do ladinho do George W. Bush e muita gente criticou.

Mas muita gente que criticou não deve ter se dado conta de que ele chorou não por causa do George W. Bush, mas pelo vocalista daquele grupo de samba do triângulo mineiro se apresentar para o ~presidente dos Estados Unidos~, essa figura tão icônica que já apareceu em tantos filmes da “Sessão da Tarde”. Foi um momento de colocar em prática a história de que “o samba não tem fronteiras”, como ele cantava na canção que dá nome a um dos melhores álbuns do SPC.

Eu sei que o Só Pra Contrariar é menos “unânime” que o Raça Negra, que já apareceu por aqui, mas eu adoro! E a lista de hoje é deles, com grandes sucessos do auge da banda em ordem cronológica, com as faixas na ordem em que apareciam nos álbuns originais.

O que tem?

Que Se Chama Amor (1993)
Out Door (1993)
Meu Jeito de Ser (1994)
Te Amar Sem Medo (1994)
É Bom Demais (1994)
Essa Tal Liberdade (1994)
Nosso Sonho Não é Ilusão (1995)
Tão Só (1995)
Nunca Mais Te Machucar (1995)
Dói Demais (1995)
O Samba Não Tem Fronteiras (1995)
Não Diga Nada (1995)
Depois do Prazer (1997)
Tá Por Fora (1997)
Mineirinho (1997)
Quando é Amor (1997)
Minha Metade (Take Me Now) (1997)
Amor Verdadeiro (1997)
Sai da Minha Aba (1999)
Você Virou Saudade (2000)

Toca aqui:

Ouvir na Deezer   Ouvir no Spotify

Posts antigos